Executivo da União das Freguesias da Senhora da Hora e São Mamede Infesta – Fazer o bem e dispensar o reconhecimento

Sucesso, reconhecimento, fama e glória: eis, em síntese aquilo porque muitos lutam.

Não diremos que este seja o objetivo principal da vida de cada um, enquanto cidadão comum.

Se falarmos de pessoas eleitas para o desempenho de cargos públicos, temos de concordar que a reeleição é um desejo que muitos, muito legitimamente alimentam.

Assim sendo, faz todo o sentido que os próprios – ou a seu mando, ou a seu pedido – divulguem amplamente as iniciativas que possam cair bem na opinião pública.

Nós, Rádio Matosinhos Online, pelo contacto direto que temos com os ouvintes – e também com os leitores – estamos em condições de avaliar o grau de satisfação da população, face a cada iniciativa que marque o dia-a-dia da população.

Temos acompanhado atentamente os procedimentos dos nossos órgãos autárquicos durante a crise pandémica que nos assola. Tivemos já oportunidade de salientar algumas medidas de apoio à população mais débil financeiramente que, quer a Câmara quer as Uniões de Freguesias tem vindo a concretizar.

Já o dissemos também: o facto de a presidente Luísa Salgueiro ser extremamente sensível à causa social reflete-se, certamente na extrema bondade com que assuntos desta natureza se resolvem no concelho.

E, em consequência nas Juntas de Freguesia, cujos presidentes e executivo estão, desde sempre irmanados no desígnio de servir bem aqueles que os escolheram para gerir os destinos da terra.

Tudo isto para realçar uma das últimas iniciativas promovidas pelo presidente Leonardo Fernandes e toda a sua equipa que tanto tem trabalhado para minimizar o impacto negativo da crise na população.

Durante os feriados da passada semana (10 e 11 de Junho) elementos desta equipa ocuparam-se em distribuir refeições ao domicílio a pessoas carenciadas!

E se este gesto por si só é já digno dos maiores encómios, que dizer de tal entrega ter passado quase despercebido da vizinhança. E muito menos da generalidade da população. Nem um anúncio, nem uma palavra, nem uma referência por mais singela que fosse conseguimos descortinar do seio daquele grupo.

E se o soubemos, se dele tivemos conhecimento foi apenas porque alguns ouvintes nos contactaram, no sentido de dele darmos publicamente nota.

E é com todo o gosto que o fazemos.

Nas redes sociais por escrito.

Nos programas radiofónicos por palavras.

É assim que cumprimos a nossa missão!

A direção RMO

O que acha?

Heitor Ramos

Read Previous

PORTO DE ENCONTRO COM MÓNICA PINTO

Read Next

Tiago Maia, a MatosinhosHabit e a política habitacional de Matosinhos. Habitação condigna para todos!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *